Aeroboteco Virtual Airlines! Uma nuvem a frente.



 Notícias do Boteco

Notícia:

Melhorando os gráficos para Prepar3d

Data da Publicação:
2022-01-17

A dica de hoje é um programa simples, fácil de usar, gratuito e que transforma completamente o ambiente do seu P3D e a textura de suas aeronaves: TOMATOSHADE.  
Trata-se de um programa que aplica algumas mudanças na iluminação do p3d (não compatível com o FSX) que dão uma sensação de maior realidade, profundidade e beleza nas aeronaves e cenário.  O programa pode ser baixado aqui  (https://live-cockpits.weebly.com/tomatoshade.html) onde também consta um pequeno tutorial sobre sua utilização.

Como é um programa simples e fácil, não vou entrar em detalhes sobre sua utilização, porém segue algumas dicas importantes:
1- Atenção ao instalar um preset, pois cada preset tem sua compatibilidade (P3D4, P3D3, etc)    
2- Antes de instalar um novo preset é importantíssimo restaurar o preset original do P3d. O próprio programa faz um backup do preset original e permite que vc restaure rapida e facilmente.   3- Pelo amor de Zeus, Odin, Thor e Jeová, LEIAM AS INSTRUÇÕES, ou poderão fazer caca que não tem como consertar a não ser pela reinstalação.        
4- Cada preset tem uma recomendação de luminosidade. Não esqueçam de aplica-la ao simulador.    
5- A opção advanced Reflections deve estar ativada no P3D.    
6- para quem não gosta ou tem preguiça de ler segue um video de como usar o programa: https://www.youtube.com/watch?v=RXM7KIH7nRE      
7- Existem dezenas de presets diferentes, basta pesquisar no google tomato preset.    
8- Por último, mas não menos importante: este programa pode ser usado com segurança sem danificar seu P3D ou sua máquina, porém depende de vc ter o mínimo de bom senso para usa-lo. EU NÃO ME RESPONSABILIZO POR QUALQUER PROBLEMA ADVINDO DE SUA UTILIZAÇÃO, mesmo porque o unico problema que já tive foi não ter feito o backup do shader original antes de instalar um novo.

Algumas fotos usando o programa:

Colaborador: Gilmar Leal - BTO6205

Visualizações:
160